SUVs compactos na berlinda

22/05/2013

SUVs foram submetidos ao teste "Small Overlap”

A segurança de alguns dos mais vendidos utilitários esportivos compactos fabricados nos Estados Unidos foi colocada em cheque, após a divulgação do resultado de um tipo teste de impacto (crash-test) feito pelo IIHS, sigla de Insurance Institute for Highway Safety. Trata-se de uma entidade independente e respeitada criada pelas seguradoras norte-americanas, para contrapor à governamental NHTSA.

Foram 13 SUVs jogados contra a parede no teste chamado de “Small Overlap”, choque  frontal onde veículo é “jogado” a 64 km/h contra uma parede de forma que apenas 25% da frente seja atingida, como se tivesse colidido contra postes, árvores ou um caminhão que parou de repente e o motorista não percebeu. Os fabricantes acham este tipo de teste rígido demais e destoa dos critérios de segurança adotados por governos e instituições no restante do mundo. O IIHS contesta e afirma que o impacto é responsável por cerca de 25% das mortes e ferimentos graves das vítimas de acidentes nos Estados Unidos.

Do total dos modelos arremessados, 11 receberam notas ruins (ou “Pobres”, segundo a classificação do IIHS), apesar de todos terem muitos airbags e estruturas consideradas seguras.

Entre os modelos avaliados, seis são vendidos também no Brasil, tais como o BMW X1, o Honda CR-V, o Volks Tiguan, o Hyundai Tucson, o Kia Sportage, além do Outlander Sport, que é importado do Japão e emplacado no Brasil com o nome de ASX. O veículo considerado o mais seguro, pois ganhou todas as notas “B” (Bom), foi o Subaru Forester 2014 – aqui no Brasil ainda vem a versão antiga. O RAV4 ficou de fora da avaliação a pedido da Toyota. O fabricante solicitou mais tempo para adequar a segurança de seu crossover .

Os itens do crash-test foram: Estrutura, Comandos e Cinemática, além de quesitos que medem os danos nos bonecos antropométricos (dummies), que substituem o homem de verdade nas batidas de laboratório. São os estragos que poderiam ter ocorrido na cabeça e pescoço, peito, quadril e coxa, e perna e pés dos ocupantes (veja quadro nesta matéria).

A escolha do IIHS pelo teste em SUVs compactos faz sentido. Devido às multi-crises, incluindo a que gerou aumento do combustível nos Estados Unidos, os consumidores mudaram seus hábitos e reduziram o tamanho e o apetite de seus carros. Estes SUVs, embora compactos, ainda têm bom espaço interno, são altos e transmitem sensação de segurança, apesar da capacidade do porta-malas ser infinitamente menor que o das grandes vans americanas.

De acordo com o instituto, no Subaru Forester e no Mitsubishi Outlander (que ficou em segundo lugar entre os mais seguros neste tipo de teste), os fabricantes buscaram mesclar áreas frontais resistentes a impactos de quina (que atingem 25% da dianteira, sobretudo na porção mais lateral) e cabines mais bem estruturadas. Tudo isso impede que coluna de direção e painéis frontais e de portas se movam - o que torna os airbags inúteis -, ao mesmo tempo em que evita que peças como rodas, eixos, conjunto de suspensão e componentes presentes do habitáculo do motor penetrem a cabine.

Veja o resultado do teste - Parte 1Veja o resultado do teste - Parte 2

 

 

 

 

 

 

Da redação