Comerciais leves salvaram 2021

11/01/2022

Diante dos fatos catastróficos que o Brasil e o planeta Terra vêm enfrentando em decorrência do vírus originário da China o ano de 2021 se encerrou até positivamente para a indústria automotiva no Brasil.

A Fenabrave – associação dos revendedores de veículos – informou no início deste mês de janeiro que os emplacamentos de veículos (considerando todos os segmentos) cresceu 10,5% em 2021 e que as projeções apontam para aumento de mais 5% em 2022.

Apesar de atípico e conturbado, foi um ano foi de recuperação, para quase todos os segmentos automotivos, com destaque para Caminhões, Motocicletas e Implementos Rodoviários. A falta de componentes, como os semicondutores, continuou afetando a oferta da indústria, lembrou o novo presidente da Fenabrave, José Maurício Andreta Júnior.

Novas preferências

Já no segmento dos automóveis e comerciais leves, foco de nossa análise, o cenário é também positivo, mas nem tanto. O resultado de 2021 na comparação com 2020 mostra uma alta de apenas 1,21%, sendo que para os automóveis de passeio houve declínio de 3,56% no volume de emplacamentos, compensado por uma alta de 24,24% para os comerciais leves. Ou seja, há muitos que antes compravam, automóveis sedãs, hatches e peruas que agora preferem as novas, modernas e confortáveis picapes lançadas nos últimos tempos, que cumprem perfeitamente os dois papeis: tanto a função do transporte urbano do dia a dia como o de cargas eventuais.

Jeep Renegade é o SUV mais vendido em 2021
Nesse cenário, cabe destaque a participação dos SUVs, o utilitários esportivos, que hoje dominam a paisagem do trânsito. Lembrando que os SUVs se enquadram na categoria dos automóveis, da qual representou, 42,90% em 2021 contra 32,70% em 2020. A persistir essa tendência, o que deverá acontecer, daqui a um ano veremos os SUVs dominando mais da metade do mercado de automóveis.

Esportivos crescem

Outra observação interessante no ano de 2021 é o resultado dos esportivos, as joias mais caras e cobiçadas do setor. Junto com os SUVs, os sedans de entrada e outros, o subsegmento dos esportivos foi um dos quatro que mostrou crescimento entre o total de 13 subsegmentos em que a Fenabrave divide o mercado de automóveis, com 3.122 unidades emplacadas. O destaque aí fica com o Porsche 911 que abocanhou 28,12% (878 unidades). Em 2020 foram 768 unidades.

Chama também a atenção os números do Ford Mustang, que fecha o ano em segundo lugar nesse ranking. Registra alta significativa no mês de dezembro, quando emplacou 106 unidades, contra 33 em novembro. No total o Mustang registrou 485 unidades emplacadas em 2021 (15,53% entre os esportivos). Em 2020 o número do esportivo Ford foi de 350.

Ford Mustang fortaleceu vendas de esportivos em 2021O modelo líder de vendas entre automóveis e comerciais leves foi o Fiat Strada, com 109.107 unidades emplacadas em 2021. Em segundo lugar está o Hyundai HB20 com 86.455, seguido pelo Fiar Argo com 84.644, Jeep Renegade com 73.913, o Chevrolet Onix com73.623, o Jeep Compass com 70.906 e Fiat Toro com 70.890.

“Os números estão bem próximos aos divulgados em nossas últimas projeções. O ano de 2021 foi complexo, em diversos aspectos. Ainda vivemos uma crise global, de abastecimento de insumos e componentes na indústria, e novos desafios têm surgido para o setor, como os constantes aumentos nas taxas de juros, que vêm impactando nos financiamentos. Ainda assim o resultado de vendas 2021 da indústria automobilística no Brasil foi 12º melhor desde 1957, lembrou José Maurício Andreta Júnior, Presidente da FENABRAVE, recém-eleito para o triênio 2022-2024.

Fábio Doyle