Range Rover pode tudo

02/04/2013

 

ALTO PARAÍSO DE GOIÁS (GO) - Um automóvel capaz de atender a todas as necessidades no campo da locomoção. Assim é o Range Rover, da britânica (e indiana) Land Rover, o carro da rainha da Inglaterra, que em sua mais recente edição Vogue, deixa qualquer um de boquiaberto. Ele pode tudo. Circula com garbo pelas rodovias e estradas asfaltadas, acelera como poucos, tem potência de sobra, enfrenta estradas de terra, lamaçais, trechos alagados, atravessa rios, sobre e desce montanhas sem o menor esforço. Isso tudo mantendo sempre o que há de mais sofisticado e confortável. Couro natural da melhor qualidade dá o acabamento ao interior e bComboio de Range Rover Vogue desbrava a Chapa dos Veadeirosan cos que seriam melhor definidos como poltronas de “primeira classe”. Sistemas elétricos, eletrônicos, painéis digitais, tecnologia de última geração tornam o Range Rover Vogue um veículo completo e complexo, que oferece o que há de melhor e mais avançado em conforto e segurança. São tantos os sistemas e soluções que para usar tudo o que ele oferece, faz-se necessário um treinamento.

 

Um conjunto de câmeras permite vComboio de Range Rover Vogue desbrava a Chapa dos Veadeiroser à volta de todo o carro e ajuda a ver, por exemplo, um pedestre numa saída de garagem. E o sensor de estacionamento percebe obstáculos imóveis e também veículos que se aproximam.

 

 

Segundo a Land Rover, a capacidade de andar em trechos alagados passou de 70 para 90 centímetros. O carro foi desenvolvido em regiões com temperatura entre -40 e 52 graus Célsius. E os testes de rodagem incluíram 8 mil quilômetros no autódromo de Nürburgring, na Alemanha.

 

 

Entre os detalhes de conforto, chamam a atenção os bancos dianteiros com vários ajustes elétricos (lombares inclusive), aquecimento, refrigeração e massagem. Para os bancos traseiros há climatização e ajuste elétrico dois encostos.

 

 

Nossa experiência ao volante de um desses exemplares no percurso de 400 quilômetros, ida e volta, entre Brasília e a Chapada do Veadeiros, foi ótima para dar o gostinho do que é o Range Rover Vogue, mas, para realmente irmos mais fundo no que ele é capaz e oferece, é necessário mais tempo e distância.

 

 

O produto top de linha da Land Rover, lançado em 1970, chega agora ao mercado brasileiro em sua quarta geração, com o que há de mais sofisticado no mundo automotivo.

 

 

Para o mercado brasileiro chegam apenas as versões superiores, com motores 5.0 a gasolina de 510 cv ou a diesel de 330 cv, que garantem ao Range Rover desempenhos dignos de superesportivos. No primeiro caso, a velocidade de máxima é de até 250 km/h e aceleração de 0 a 100 km/h em 5,4 segundos. Os números da versão a diesel são um pouco mais “modestos”: 218 km/h de máxima e apenas 6,8 segundos para chegar aos 100 km/h a partir da imobilidade. Ambos os motores trabalham com câmbio automático ZF de oito marchas. Na Europa e América do Norte a oferta é ampliada com motores e versões de acabamento menos sofisticadas.

 

 

A atual geração do Range Rover, a primeira sob o comando do grupo indiano Tata, que comprou a Land Rover há quase cinco anos, mede 5 metros e pesa mais de 2,3 mil quilos. Pode parecer pesada mas é 420 quilos mais leve que a anterior por ter carroceria toda em alumínio. A nova carroceria mede 4,99 metros. Tem 2,7 centímetros a mais que a anterior. A distância entre eixos aumentou 4,2 centímetros e resultou em mais espaço interno.

 

 

A complexidade de recursos que o Range Rover oferece impossibilita relacioná-los sem tornar o texto enfadonho e cansativo. Entre eles chamam atenção a suspensão que varia a altura na dianteira em 260 mm e na traseira em 310 mm, sob comando ou não do motorista –o sistema identifica a melhor condição –, o sistema ACC (Adaptative Cruise Control) que mantém a distância definida pelo condutor do veículo da frente, acelerando ou freando automaticamente, cinco câmeras externas, displays multimídia individuais para os bancos de trás e da frente, faróis inteligentes que reduzem a luminosidade ao identificar veículos no sentido contrário, painel de instrumentos digital de 12 polegadas, bancos dianteiros com cinco tipos de massagens, iluminação interna de LED, acabamento de couro nobre, geladeira, entre vários outros.

 

 

Para um carro exagerado, um preço exagerado, pelo menos para a maioria dos bolsos. A versão mais barata, a SDV8, turbodiesel, custa R$ 551,8 mil. A topo de gama, batizada de Autobiography, com propulsor Supercharged V8, a gasolina, R$ 604,8 mil. No mercado norte-americano, que não oferece a versão comRange Rover Vogue tem linhas mais do que clássicas motor diesel, os preços variam entre US$ 83.545 (cerca de R$ 165 mil) e US$ 130.995 (cerca de 260 mil), segundo o site oficial da Land Rover nos EUA.

 

 

Adriano Resende, diretor de marketing do produto, projeta vendas de 200 unidades para 2013, ou seja: vinte por mês. Em 2011, melhor ano do modelo aqui, foram 121 unidades. Em 2012, apenas 64, até porque a nova geração já era esperada.

 

 

Sem precisar quanto, Resende acredita que a Land Rover deve superar este ano o desempenho de vendas de 2012 e 2011, quando vendeRange Rover Vogue tem linhas mais do que clássicasu quase 8,2 mil veículos por ano, com avanço sobre os anos anteriores – 3,2 mil em 2009 e 5 mil em 2010. Esse crescimento deverá ocorrer principalmente graças ao Evoque, de design arrojado, que é a atual vedete da marca.

 

 

(*) O jornalista viajou a convite da Land Rover do Brasil

 


Novo Range Rover Especificações Técnicas

  4.4L V8 Diesel 5.0L Supercharged V8 Gasolina
Altura/Largura/Comprimento (mm) 1.835/1.983/4.999 1.835/1.983/4.999
Distância entre eixos (mm) 2.922 2.922
Ângulo de ataque (graus) 26,0 (modo normal), 34,7 (modo fora de estrada) 26,0 (modo normal), 34,7 (modo fora de estrada)
Altura de passagem em rio (mm)  900 900
Diâmetro de giro (m) 12,3 12,3
Coeficiente aerodinâmico Cd 0,35 0,36
Peso (kg) 2.360 2.330
Freios (mm) Disco 380 mm na frente e 360 mm atrás =
Direção Pinhão cremalheira c/ assistência elétrica EPAS =
Motor V8 32 válvulas duplo turbo V8 32 válvulas compressor volumétrico
Tração Integral permanente 4WD =
Cilindrada (cc) 4.367 4.999
Potência máxima CV (kW) 399 (250) 510 (375)
Câmbio Automático 8 velocidades ZF 8HP70 =
Consumo de combustível uso misto km/l 11,49 7,25
Tanque combustível (litros) 105 =
Autonomia média km 1.215 776
0-100 km/h (seg) 6,9 5,4
Velocidade máxima km/h 217 225 (opcional 250)
Fonte: Fabricante    
Obs: Na Europa é também oferecido uma versão diesel com motor 3.0L V6 Diesel    

 

Fábio Doyle